o tempo paralelo que foge para o outro

Tem dias que não sei

em que momento me estou.

Se sou ontem amarela ou se fui amanhã devagar.

Se o encontro que me deu

terá sido aquele parar

que já vivi: não apanhei.

Ou se um novo presente se deu

a quem se queixou de não o ter?

Ainda assim

tem dias que não sei

se me deixo voltar para mim

ou para aquilo que serei.

Tempo de resposta mínimo:

A escolha comanda a vida, o poder de uma decisão caracteríza-a, saber que tudo se pode construir é uma recompensa maravilhosa. Essa desfragmentação da mente só nos consome. No fundo, as nossas acções são interpolações dos sentidos, são conjugações de desejos, são riscos e expressões do inconsciente. Cabe-nos materializar essa linguagem. Tracei o meu azimute, estás em rota com a minha vontade, estás cruzada com o meu ímpeto e o tempo é companheiro no crime.

Advertisements

One thought on “o tempo paralelo que foge para o outro

  1. JustMe

    O Tempo… A Mente, o Espírito e Eu

    Eu… Não sei quem tu és!…
    Só sei que te procuro incessantemente…
    Quero encontrar-te… preciso de ti… mas não sei quem tu és!
    Este pensamento assombra a minha Mente analítica:
    Como se encontra, quem não sabemos quem é?
    A Mente inquieta-se… é impossível… é irracional…
    O Espírito acalma-a… sussura-lhe.. tranquiliza-a…
    Ele sabe que te reconhecerei… mas como?!… pergunta a Mente na tentativa de resolver um sistema lógico de equações…..
    Porque será impossível não reconhecer quem se procura… responde a Mente com a sapiência do saber… do sentido… do amado….
    Que falta de fundamento científico… que paradoxo, penso Eu….
    Eu… Não sei… Só sei que há anos que despertei para ti…
    Há anos que sei que tudo isto só fará sentido se te encontar….
    Preciso de ti… Ontem… Hoje… Amanhã…
    Preciso de ti, mesmo quando amanhã já é ontem… e ontem ainda não é hoje…
    Vou-te reconhecer… penso, é impossível não te reconhecer…
    Ganho novo alento com este novo paradigma… talvez a Mente acalme…
    Afinal a vida é magnificamente simples: são sorrisos… conversas… momentos partilhados… discussões superadas pela afinidade…. pela cumplicidade… pelo amor…
    A Mente acalma…. e reconcilia-se finalmente com o Espírito….
    Ò Paz Boa, penso Eu….
    E deixo-me levar no tempo, embalado por esta sensação boa… gostosa…
    Viajo contigo… Falo… Escuto-te… Falo… Escuto-te…
    Observo-te, mas não te materializo…
    Não preciso…. basta que sejas tu… que sorrias…
    Que sorrias quando me olhas nos olhos…
    Que sinta o teu calor quando me abraças…
    Que me queimes quando me beijas…
    Mergulho em ti…. Fazemos planos…
    Finalmente estamos juntos…
    E percebo antes de mo dizeres que também Tu me procuravas….
    Tu que me querias encontrar… sem saber quem Eu era….
    Ó Vida Boa, penso eu…
    Momentos de felicidade que não se descreve… breves momentos….
    Raio de Mente analítica… racional… científica… que só processa informação modelizada por equações matemáticas complexas…
    E se te encontro…
    E não estou preparado?!
    E se ainda não resolvi tudo o que tenho de resolver?!
    E se por medo de te perder… se movido por uma cobardia intelectual estrago tudo?!
    E se vens num corpo que não se adequa ao tempo do meu?!
    E se…
    E se… me engano de novo?!………..
    E afinal não és tu!….

    Ao amor que me cabe por nascimento e que sei que anda por aí…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s